ESQUEMAS ? 

NÃO CONSEGUIMOS ENUNCIA-LAS TODOS POR FALTA DE TEMPO, MAS AQUI FICAM ALGUNS EXEMPLOS, QUE SEGURAMENTE DEVES EVITAR E MANTER-SE AFASTADO: (em actualização)

TRUST INVESTING - (https://trustinvesting.com) Trust Investing é a mais recente burla dos Estelionatários Diego Chaves e Fabiano Lima.

Já conhecidos por outros esquemas, estão de volta novamente, as mesmas personagens, uma historia idêntica. Embora existam muitos corretores credíveis em quem os clientes podem confiar, existem muitos outros corretores que são considerados corretores fraudulentos por vários motivos. Corretores como TRUST INVESTING devem ser evitados para manter os seus créditos de negociação seguros. Trust Investing é muitas características e comportamentos que indiciam burla, como avisos de autoridades reguladoras bem conhecidas de vários Países, cópia de sites de outros corretores legítimos, condições não regulamentadas, bônus ilegítimos e retiradas, etc. A União Networkers não recomendam negociar com o "corretor" como os TRUST INVESTING e já o tiver feito, o melhor é levantar os seus fundos.

A Trust Investing anuncia que gera receita externa por meio do "gerenciamento de ativos criptográficos" ... o que quer que isso signifique; eles não entram em detalhes.

Se Diego Chaves e seus amigos conseguissem gerar legitimamente 5% ou mais ou menos por dia, para que eles precisam do seu dinheiro?

Além disso, a oportunidade de investimento passivo da Trust Investing constitui uma oferta de valores mobiliários.

No Brasil e na Espanha, os valores mobiliários são regulamentados pela SEC e CNMV do Brasil, respetivamente.

Trust Investing não fornece nenhuma indicação de que registrou sua oferta de valores mobiliários com qualquer regulador.

Isso significa que, no mínimo, a Trust Investing está cometendo fraude em títulos. Na pior das hipóteses, é um esquema Ponzi completo. Atualmente, a única fonte verificável de receita que entra na Trust Investing são novos investimentos.

Usar um novo investimento para pagar aos afiliados existentes um retorno diário torna o Trust Investing um esquema Ponzi. Tal como acontece com todos os esquemas de Ponzi de MLM, uma vez que o recrutamento de afiliados cessa, o mesmo ocorre com os novos investimentos. Isso vai privar a Trust Investing de receita de ROI, levando a um colapso.

A matemática por trás dos esquemas Ponzi garante que, quando eles entram em colapso, a maioria dos participantes perde dinheiro.


VA GLOBAL - (www.va-global.pt) Era a única Empresa de multinível totalmente Portuguesa que até hoje prometia alcançar a barreira mítica dos 5 anos de existência. Em 2019 foi considerada Empresa revelação Multinível em Portugal, contudo não resistiu a má gestão do seu mentor, Manuel Martins. Perda da sua marca exclusiva "Ser Aromas", introdução sucessiva de novas áreas de negócio sem consolidação das anteriores, péssima comunicação com a rede, promessas que nunca conheceram a realidade, foram alguns dos motivos que levam ao abandono total da sua rede consultores e clientes.

Não invista aqui o seu tempo se quer ter resultados e sucesso no Multinível em Portugal, o tempo dos vendedores de sonhos já terminou!


OptionsKnight - (https://www.optionsknight.com) Esta é a típica fraude da nova tendência de fraudes no multinível. Consegue juntar todos os alertas  que temos vindo a informar nos últimos meses: Empresa fictícia com sede física e fiscal num País distante ou com praticas muito duvidas, dizem que a Sede é nos Estados Unidos, mas a verdade é um esquema que foi criado em Portugal. Não tem referencia a Fundadores ou donos do projecto. Plano de marketing que promete ganhos mirabolantes em que produto são moedas virtuais. Promessas constantes de retornos com lucros fixos ou garantidos muito elevados. Isso não existe em nenhum investimento nem fora do multinível. Em negócios, quanto mais alta é a possibilidade de lucro, maior é o risco. Aqui é pura fraude, pois o investimento que dizem fazer com o dinheiro do leitor, puramente não existe, pagam aos aderentes mais antigos, com o dinheiro das novas entradas. Chamam-lhe retorno de ganho garantido entre 4 a 12,5% por semana. Tal situação já foi alvo de alerta do Banco de Portugal que pode ler aqui


INCRUISES - (www.incruises.com) Fundadores muito duvidosos e com afirmações difíceis de confirmar. Sede em Miramar, Florida ?? No entanto apenas têm um escritório virtual e podem estar em qualquer lugar. Não existem contratos. Preços elevados e facilmente se encontram preços idênticos ou mais baixos, neste nicho de mercado que são as viagens de cruzeiros. Não existe produto físico, mas sim um "deposito numa conta de cruzeiros", o que deixa muitas dúvidas. Critérios de qualificação para lideres, não são fornecidos no plano de compensação. Outra preocupação, é que a concorrência neste tipo de mercado, normalmente faz descontos, e você muito facilmente perde os seus clientes. Incentivo demasiado no recrutamento para aumento de lucros, em detrimento das vendas. Os pagamentos vêm fundamentalmente do recrutamento e não das vendas de retalho. As qualificações de membro obrigam a 5 recrutamentos e não são feitas pela venda de retalho ou auto-consumo, existe uma circulação de dinheiro, as novas entradas servem para pagar aos membros mais antigos. O plano de negócio foi alterado recentemente tendo um bónus passivo e afastou-se de um negocio duvidoso ou pouco atractivo, para terrenos muito próximos de um esquema de pirâmide e potencial fraude ponzi.


WORLD VENTURES - (www.worldventures.com) Após uma analise e pesquisa desta Empresa verificamos que foi considerada um Esquema de Pirâmide na África do Sul pela Comissão Nacional do Consumidor. Também em 2014 a World Ventures cessou a sua actividade na Noruega por ter sido considerada Oficialmente como um Esquema de Pirâmide naquele País. Já em 2017 foi iniciada contra ela um processo por violar Leis da Califórnia. A World Ventures é uma empresa muito controversa, se é ou não um esquema de pirâmide é realmente subjectivo. Mas o facto de haver Países onde se encontra bloqueada, alguns com acções judiciais pendentes, não nos mostra definitivamente que é o tipo de negócio que você vai querer desenvolver, certo? Incentivo demasiado no recrutamento. Preços não incluem voos e são elevados. Facilmente conseguimos melhor e mais barato ao alcance de uma pequena pesquisa. Por estes motivos temos dificuldade em classificar a Empresa como um Esquema de Pirâmide, mas seguramente é um negocio muito pouco atractivo, onde vai ter dificuldade em ganhar dinheiro e ajudar a sua equipa a fazer o mesmo. É uma Empresa que deve manter-se afastado.


LYONESS - (https://www.lyconet.com/pt) A ideia inicial deste projecto estava muito bem concebida e teve algum sucesso, um cartão de compras com um "cash back" conjugado com empresas associadas. Contudo quando a Empresa introduziu as "CLOUDS", entrou rapidamente em terrenos pantanosos e não temos muitas duvidas, próximos de um esquema Ponzi. A compra um produto futuro, na expectativa que ele seja vendido, ou esperando ele gere lucros é permitida. Contudo dividir lucro sobre algo que ainda não está totalmente transaccionado, viola as leis de alguns País nomeadamente os EUA. A empresa paga lucros apenas pela movimentação de dinheiro dos níveis inferiores e não pela movimentação de produtos, no multinível para ser legal os pagamentos deve basear-se em vendas concluídas de produtos ou serviços para consumidores finais. A Empresa tenta passar a ideia que comprar um desconto é a mesma coisa que comprar um produto, mas em multinível, o pagamento de comissões, deve provir da venda produtos ou serviços e não da venda descontos de produtos ou serviços. Nos Estados Unidos isto não é permitido e a Empresa está a ter problemas nesse País com o organismo oficial de defesa do consumidor https://www.ftc.gov
Além disso, em 2014 já perdeu uma decisão Judicial no seu País de origem a Áustria, https://lyoness.pissedconsumer.com/the-verdict-by-the-austrian-supreme-court-concerning-the-lyoness-general-t-cs-was-already-reaffirmed-during-the-first-proceedings-201709021095600.html e recentemente na Noruega, a Autoridade Lottery, concluiu que o seu sistema de vendas é baseado numa pirâmide ilegal, tendo em 11 de Janeiro de 2018, essa mesma Autoridade emitido uma notificação da decisão de interromper o trabalho da Lyoness na Noruega, onde incluiu na notificação os cerca de 150.000 membros e também as cerca de 1000 Empresas já fidelizadas. Nessa notificação um dos fundamentos mencionados foi: "chegamos à conclusão de que as receitas dos negócios da Lyoness na Noruega dependem principalmente do recrutamento de novos membros e não da venda ou consumo de bens, serviços ou outros benefícios". Para ajudar, mudou o nome de Lyoness para a Cashback World para ocultar os processos judiciais na Austrália, Suíça, Suécia, Áustria, Alemanha e Noruega. 
Na nossa analise e dos distribuidores com quem falamos que estão na Lyoness concluímos que,  as "CLOUDS", da forma como estão a ser apresentadas, fazem dos aderentes, investidores propriamente ditos, e que só após 36 meses, podem ou não começar a ser pagas. Existe uma incerteza da data. Existe relatos que as primeiras CLOUDS em Portugal, que deveriam estar a ser pagas em  2018 não foram, ou foram muito a baixo do esperando. Também registamos que, na ideia inicial da Empresa no dito "cash back", existem atrasos relativos aos pagamentos de semanas, meses e num dos casos um ano. Na nossa conclusão é muito pragmática, é uma Empresa que deves manter-se afastado, sem qualquer margem de dúvida.


EMPRESAS DE ORIGEM BRASILEIRA - O leitor deve perguntar-se, o porque desta designação?! Ou considerar que a mesma é Brasilofobia, mas já vai perceber que não é. Infelizmente 99% das "ditas empresas" de multinível que tem origem no Brasil, nada têm de Empresas e muito menos de Multinível ou Marketing de Rede. Pelo facto do Brasil ser um País enorme, com quase 210 milhões de pessoas ( 5.º maior País do mundo em População), ainda pouco desenvolvido em regras de venda directa ou multinível, faz com que qualquer pessoa que tenha conhecimentos informáticos, perceba um pouco de marketing e consiga arranjar um produto ou tenha imaginação para criar um produto fachada, facilmente consegue criar algo que à primeira vista poderá parecer uma "Empresa Multinível". No Brasil são muito frequentes este tipo situações e normalmente são sempre os mesmos estelionatários (expressão muito usada no Brasil que significa burlão, impostor, aquele que cria embustes) ou então são os seus testas de ferro.  A grande questão é que no Brasil, este tipo de práticas, lamentavelmente começa a ser um "habito" e as pessoas, umas mais outras menos, quando decidem entrar num "esquema" deste género, já sabem aquilo que lhes espera. Outra coisa totalmente diferente acontece, quando estes esquemas conseguem vir para Portugal, de uma forma consistente e mais ou menos organizada, fazendo muitas vítimas e causando muitos dissabores até serem descobertos. Um grande exemplo disso foi o esquema "Geteasy", que até sede física em Portugal tinha, com pessoas a trabalhar diariamente no seu interior, contratos milionários anunciados, dando credibilidade e criando interesse no público em geral. Mas existem centenas de exemplos de fraudes Brasileiras que conseguiram passar o Atlântico, denegrindo a credibilidade desta industria em Portugal; TelexFree, Paydiamond, Goobets, Cadastro Legal, BeWiseTrader, Evo Binary, ClubCard10, I-CON GroupIfreex, Univerteam, Multiclick, e muitas mais existiram, existem e vão existir, a lista não caberia aqui. O leitor deve estar é sempre atento, deve evitar "Empresas" com os seguintes sinais; 

     Não ter historial, as suas sedes física e fiscal, normalmente são anunciadas em Países distantes ou paraísos fiscais. Facilmente, com uma simples pesquisa, descobre-se que quem está a ser indicado como "fundador" é alguém que nunca se ouviu falar, ou já se ouvir falar por maus motivos. Não existe produto ou é usado como fachada, promete ganhos muito rápidos, anormalmente elevados e de baixo risco, paga quantias fixas que não estão disponíveis noutras oportunidades, não depende das variações do mercado, requer que faça tarefas repetitivas (um programa para PC ou app para telemóvel) ou sem lógica para ganhar dinheiro, têm sedes de fachada, moradas falsas e são difíceis de contactar, não estimulam a venda de produtos, só o recrutamento, requerem grandes quantias para entrar e possuem planos de compensação complicados.

     Estes indícios são um alerta para a todas a Empresas, mas principalmente as provenientes do Brasil, pois representaram até agora, cerca de 85% das fraudes do multinível em Portugal. Portanto se assistiu recentemente a uma apresentação de negócio proveniente do Brasil, ou com traduções que contêm brasileiro, ou apresentada por brasileiros, provavelmente eram fraude ou esquema piramidal. Se gosta de marketing multinível, se quer manter-se nesta área e dormir descansado, evite-as e não perca tempo, porque tempo é o recurso mais escasso.


CRIPTOMOEDAS, MOEDAS VIRTUAIS e BLOCKCHAIN (actualizado 11.12.2019) - Este é sem dúvida um dos temas mais debatidos na União de Networkers, não só pelas expectativas recentes, mas pelas dúvidas que suscita. Oficialmente, não proibidas em Portugal, contudo muito desaconselhadas pelo Banco de Portugal e pelo Banco Central Europeu em vários comunicados oficiais e recentemente reiterados. (https://www.bportugal.pt/page/moedas-virtuais) Não são reguladas por nenhuma entidade oficial nos seus vários parâmetros; controle na emissão de moeda, comercialização, aceitação como meio de pagamento, variação e instabilidade do seu valor de mercado, etc

A nota mais importante que deve reter é: Uma Empresa, seja ou não de Network Marketing, que tenha como produto único criptomoedas e prometa lucros garantidos ou sem riscos, é pura Fraude. Após termos analisando todo o mercado, na União Networkers Portugueses Portugueses, consideramos esta área como um puro investimento de risco muito elevado. Tal como existem outros; Bolsa de valores, trading, startups, contratos futuros, câmbios, apostas desportivas ou fundos bancários, etc. O investimento é de puro risco e o leitor deve ter consciência disso.  Outra nota muito importante neste tema é que a fronteira entre risco elevado de investimento e Fraude é muito ténue. Uma Empresa que seja muito recente, com por exemplo menos 2 ou 3 anos, que tenha unicamente como produto criptomoedas, que não seja muito conhecida, com sede fiscal em Países duvidosos, que não se conheçam os seus fundadores é quase de certeza pura fraude. Um paradigma diferente, poderá ser quando tivermos empresas gigantes como a Google ou Facebook, que já anunciaram intenções de lançar a sua própria moeda virtual, ou Empresas de Multinivel já com muitos anos no mercado, que não prometem lucros fáceis ou imediatos e pretendam lançar-se nesta área. Aqui sim vemos uma situação de puro risco ou aposta e não fraude. 

São uma grande tendência do mercado, mas também são um produto por regular e muito volátil. No futuro, existe uma forte expectativa das criptomoedas ser aceites por entidades oficiais, mas se tal acontecer, seguramente que vão reguladas por Bancos Centrais e emitidas pelos mesmos. Uma entidade privada, mesmo que tenha tecnologia para isso, como a blockchain, a emitir moeda desreguladamente, como actualmente acontece, não nos parece bem. Até serem reconhecidas como moedas oficiais, se é que o vão ser, são um risco enorme, como já referimos anteriormente. Se até agora 85% das fraudes em Multinível eram provinham de "empresas" Brasileiras, agora vêm de toda a parte. Para o leitor perceber, faz lembrar a situação das notícias sobre o aeroporto na Ota, centenas de pessoas compraram terrenos naquela zona na expectativa que a aquela situação viesse a acontecer. Terrenos que não valiam quase nada, foram vendidos a preços altíssimos. Podemos estar perante a mesma situação nas criptomoedas. Deve manter-se afastado deste investimento até os grandes Países (Estados Unidos, Europa, Japão, Canadá, Coreia do Sul, China, Austrália) legislarem sobre este assunto ou até grandes Empresas tecnológicas como a Google ou Facebook, lançarem a sua própria moeda.

        O leitor deve ainda encarar outra realidade, e que poderá vir a ser o mais provável de acontecer nesta matéria: se um dia o dinheiro digital for reconhecido, como um meio de pagamento global, nada garante que sejam as moedas virtuais actuais as que vão vigorar. Acha mesmo que os Bancos Centrais e os Estados iriam ficar de fora deste mercado? Pense nisso antes de investir nesta área. Entidades privadas a emitir dinheiro não nós soa muito bem, muito menos com cotação e valor de mercado. No que toca a "empresas" Network Marketing / Multinível / Marketing de rede com produtos nesta área, desde que tenham outros produtos como principais e as criptomoedas não sejam de participação obrigatória, mas sim uma área marginal ou um produto acessório, e informem claramente que se trata de uma situação volátil e de altíssimo risco sem prometer lucros fáceis ou imediatos, poderá ser uma situação admissível e classificável como de alto risco e não como fraude.